quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

QUANDO O EXCESSO É EXCESSIVO

Todo excesso acaba sendo excessivo, tanto para mais como para menos. Sempre que os limites são ultrapassados o sistema fica comprometido e as consequências enevitáveis. Ponderação, comedimento, atenção, presença, foco, são alguns dos elementos fundamentais para a manutenção e sustentação do sistema. Portanto, a grande recomendação, " nada em demasia", é cabível em todos os territórios vivos, seja nas relações interpessoais como intrapessoais. Ocorre que, nem sempre as pessoas conseguem sustentar estes elementos e na ânsia do querer, no apego às padronagens, acabam não considerando os limites, as bordas, as membranas, que delimitam e protegem os sistemas nas suas configurações e funcionalidade. Nesta atitude desconsiderada, não são poucas as pessoas que se encapsulam em verdades criadas para si, sustentadas pelas conveniências e favoritismos pessoais, que levam no mais das vezes aos excessos e excessivos na forma como conduzem a vida. Fechadas em si mesmas e sustentadas por "falsas verdades", não conseguem se libertar do cárcere autoconstruído. Aqui me recorda Montaigne: " a obstinação e a convicção exagerada, são a prova mais evidente da estupidez."
Abraços ****
Vivi

Nenhum comentário:

Postar um comentário