terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

E O ESPETÁCULO CONTINUA ...

Uma das marcas da modernidade é o espetáculo. Tudo tem que se tornar um espetáculo para poder aparecer nas mídias, ser visto e revisto. O espetáculo dá o tom, alto e forte, sempre excessivamente para chamar o máximo de atenção. Porém esta necessidade de espetacularização tem um profundo impacto na formação dos afetos e no conhecimento de si mesmo. Diante da superexposição o humano perde a sua identidade, se desumaniza, fica desorientado, porque não se reconhece e não consegue reconhecer o outro como um igual, como um outro Ser Humano. O outro passa a ser ameaça, dentro dos jogos competitivos. Os cenários do espetáculo criam uma falsa sensação de pertencimento que acaba gerando ansiedade, frustração, estresse. Organicamente o humano vai se deteriorando, embora plastificado, maquiado no butox, na capa da revista e nas telas, ele sente a dor do isolamento, do abandono de si mesmo. Além do abandono do mundo, um sentimento de ser abandonado por si mesmo. Para neutralizar este território se entrega às drogas e uma delas é a do consumo desmedido. Os corpos do espetáculo são corpos despotencializados. Portanto, todo cuidado é pouco, afinal o glamour é altamente sedutor e enganador.
Abraços ****
Vivi

2 comentários:

  1. infelizmente esta é uma grande verdade,hoje vivemos a solidão fruto do individualismo,todos agem na expectativa de reciprocidade,não existem relações desinteressadas,tempos tristes,vivemos a escassez de sentimentos,como resultado do excesso de exposição estamos todos aridos....e sozinhos..pura solidão.

    ResponderExcluir
  2. Caríssima Lilian, quem sabe refletindo criticamente possamos nos conectar nas redes com mais amorosidade.
    Beijos

    ResponderExcluir