sexta-feira, 25 de novembro de 2011

AMOR E ÓDIO

Amor e ódio, um binômio que se antagoniza sempre. Visto que, quando estamos sob o efeito da amorosidade, os sentimentos de vingança e raiva não conseguem se manifestar, assim como se estamos tomados pelo sentimento da raiva, o amor não consegue penetrar. Descontroladamente, muitos são os que ficam capturados por esta gangorra, ora loucos na paixão ora loucos pela fúria da raiva. Todos os sentimentos têm permeabilidade no corpo e na alma de quem o vive, assim como no corpo e na alma de quem está ao lado. Por experiência, sabe-se perfeitamente quais são os desdobramentos do amor e quais são os do ódio. Se a raiva é negada, ela pode ser projetada sob outras vestimentas. A expressão do amor também muitas vezes é contida, causando também um certo desconforto pessoal. Viver o amor ou o ódio é uma escolha pessoal e todos sabem das conseqüências causadas por um e por outro sentimento. Aqui vem a lembrança de uma das belíssimas reflexões de Gandhi: "o menor gesto de amor é mais forte que o maior gesto de ódio.
Abraços ****
Vivi

Nenhum comentário:

Postar um comentário