sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

FALSIDADE

A busca da verdade faz parte do senso de justiça, fundamental nas relações de convivência. Transparência e honestidade, são atitudes aprendidas na primeira infância e cultivadas ao longo de toda uma existência. Embora que o senso de justiça possa até ser inerente à pessoa humana, é necessário compromisso pessoal para a sua sustentação. Em territórios onde a aparência tem valor, sustentar o ser verdadeiro não é tão simples assim. Na conveniência do parecer ser, a falsidade aparece com certa frequência, são os falsos valores do favoritismo. Uma criança nascida em ambientes onde a mentira faz parte do jogo relacional, aprender o ser verdadeiro, transparente, honesto consigo mesmo, será um grande desafio, para impedir que pequenas mentiras passem a ser um modo expontâneo no conviver pessoal e relacional. Estar atento às falsidades, às enganações, às pequenas perversidades, para não fazer disto um padrão, é algo imperativo à humanidade, se quisermos uma sociedade mais justa e equânime. Assumir um compromisso de ser honesto consigo e com todos, sobretudo com as nossas crianças que aprendem com os adultos, já será um benefíco para uma grande mudança verdeira.
Abraços ****
Vivi

2 comentários:

  1. Nossa, como as verdades nas palavras incomodam, não é mesmo Vivi???
    Por mais que tentamos fugir disso tudo que você escreve, mais nos vemos dentro desse emaranhando, tecendo nossa identidade com tudo isso.
    Abalou!
    Mas é isso mesmo que eu preciso ler, entender e depois apreender.
    Prazer enorme conhecê-la. Desejar coisas boas a você e aos seus queridos é redundância. Você já se encontra em um estágio da doação, que somente os evoluídos conseguem verdadeiramente.


    Felicidades
    Rita e família Lavoyer

    ResponderExcluir
  2. RITA Agradeço de coração seu carinho e parceria nesta trajetória que é de todos nós.
    Abraços fraternos Vivi

    ResponderExcluir