quinta-feira, 30 de agosto de 2012

GESTO E AUTOBIOGRAFIA


O gesto é a expressão do ser humano vivo, na vitalidade de seu corpo vivo. Em cada gesto cada pessoa coloca o seu “si mesmo”, naquele momento em que o gesto se expressa.  Todo gesto, por menor que seja, tem a capacidade de revelar quem somos, onde estamos, quem de nós está ali naquele determinado instante, diante daquela determinada configuração do ambiente e suas afetações. Como uma palavra corporal, o gesto  comunica, faz contato, aproximando ou afastando pessoas e ambientes. A pessoa que habita o seu corpo, se faz presente nos presentes vivos da vida, nos encontros, consigo mesmo e com os outros, tem a chance pelo contato somático de se autoconhecer, se descobrir e agir sobre si mesmo no aperfeiçoamento da sua pessoalidade.  Muitas vezes o gesto é apenas esboçado através de uma simples expressão do olhar, nos mínimos movimentos da face ou das mãos, dos pés, num instante de respiração, mas sempre será revelador. Involuntário ou voluntário, o gesto sempre comunica algo, sempre haverá uma mensagem. Talvez não haja qualidade na presença para captar, mas será sempre uma linguagem, uma narrativa pessoal, única daquele instante. Compreender esta linguagem é refinar atenciosamente a presença,  uma presença que não seria menos sincera e valiosa que o mais detalhado dos relatos de uma vida escrita em uma folha de papel. O gesto é a expressão de uma biografia. Reconhecer o gesto é também se autoconhecer nas múltiplas narrativas e faces de si mesmo, é edificar uma autobiografia.
Abraços   ****
Vivi

Nenhum comentário:

Postar um comentário