quarta-feira, 19 de setembro de 2012

SER PESSOA OU SER OBJETO


Desatentos e contaminados pelo capitalismo de mercado que funciona na constante aceleração, não se percebe que a pessoa humana em muitas situações tem sido considerada como um objeto de custo. A pergunta é: o que queremos: ser uma pessoa e nos reconhecer como pessoa ou ser um objeto de custo, que se troca, descarta, sem valor, mas com alto custo. Então quanto custa? Esta é palavra do capitalismo: quanto custa? Muitas ações deixam de ser realizadas pelo custo, pois o que interessa não é o valor do humano, mas o quanto custa, de quanto serão os lucros contabilizados em moeda. A arte como a educação, tem sido vítimas constantes desta atitude predatória que permeia nossa sociedade. Se fala em mudanças, as propagandas apelam na construção de ilusões, com promessas inacessíveis para a total maioria, a violência aumenta por todos os lados e de todas as formas, as famílias se destroem, as instituições perdem legitimidade, a política é vendida em fatias de conveniência, a insegurança toma conta dos espaços públicos e pessoais, porque tudo acaba sendo reduzido ao valor do mercado, do quanto custa. Onde chegamos com a nossa humanidade? Seria esta uma doença incurável? Uma verdadeira peste, que contamina a tudo e a todos? Onde estão as religiões? Será que nem elas são capazes de assegurar respeito e legitimidade? Este é o desolador cenário que se apresenta no teatro social. O coletivo evidencia os sintomas, mas é no indivíduo que a ação terapêutica precisa acontecer, investindo na cura desta brutal afecção que acomete a nossa humanidade. Precisamos fortalecer e sensibilizar a subjetividade para que tenhamos força decisória para dizer sim quando sim e não quando não, no compromisso absoluto com a verdade e o amor. Dignidade não é questão de custo, mas de valor. Em que mãos está escondida a nossa ética, a nossa vergonha, a nossa auto-valorização?
Abraços   ****
Vivi

Nenhum comentário:

Postar um comentário